Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Entes queridos — Familiares diversos


5


Francisco Adonias Nogueira Filho

Fortaleza (CE) — 21 de abril de 1960.

Cratéus (CE) — 15 de agosto de 1978.

Filho de Francisco Adonias Nogueira e de Evangelina Soares Rosa, suicidou-se, aos dezoito anos, em Cratéus, Estado do Ceará, cidade onde residia, em companhia da avó materna, Ester.

Dele, temos notícia de dois irmãos: José Cardoso Rosa Neto e Marco Antônio Soares Rosa Nogueira.


DA MÃEZINHA DO COMUNICANTE


Dona Evangelina escreveu comovedora carta ao organizador do presente volume, aceitando a autenticidade da mensagem do filho que muito conforto, segundo expressão dela própria, lhe trouxe ao coração materno e tecendo comentários importantes sobre as notícias psicografadas, documento este que foi arquivado em departamento especializado da Editora.


MENSAGEM


1 Querida mamãe Evangelina e querida vovó Ester, n estou aqui, na condição do filho que volta, a fim de lhes pedir perdão.

2 Vovó querida, desculpe-me pelo que fiz em Cratéus, quando a sua bondade estava pronta, a fim de me defender e proteger constantemente. 3 Não sei porque a ausência de meu pai me conturbou tanto… n

4 Pensava, pensava e não me vinha uma saída ao pensamento. Fiquei sem coragem, vencido.

5 A vida me pareceu vazia, sem sentido, quando a mãezinha Evangelina e a vovó Ester esperavam tanto de mim. 6 Ignoro que forças indomáveis me fizeram aceitar a ideia de uma corda que me pendurasse o corpo, a fim de que tudo acabasse para mim.

7 A verdade é que a vida não me deixou e sofri o indescritível para aprender a veneração que me cabia dedicar ao corpo que Deus me dera, através de meus pais.

8 Não sei de onde me veio o impulso temerário. Senti que o meu corpo balançava no espaço e que eu caía numa tremenda escuridão.

9 O que se passou, não tenho vocábulos para contar. Quanto tempo me arrastei naquelas sombras densas, arrependido e infeliz, não sei dizer.

10 Depois de um tempo que para mim teve a duração de séculos, uma voz me veio atender aos gritos de socorro…

11 Chorei mais ainda, ao verificar que alguém acertara comigo naquela imensidão de escuro em que me debatia. A voz me pediu paciência e oração e me afirmou que era das vovós Evangelina e Tertinha n a me buscarem.

12 Desde então, fui hospitalizado para tratamento; no entanto, reconheço que a minha coluna se desajustou. Já comigo vêm pessoas e conversam, mas a figura da mamãe Evangelina, a sofrer por minha causa, não me sai da cabeça.

13 Mãe, perdoe-me. E não desanime com os meus irmãos. O José melhorará, o Marco Antônio ficará bom. E a Lívia n será o nosso apoio.

14 Perdoe a fraqueza de seu filho, que, num momento infeliz, cedeu à sugestão do mal. Somente posso interpretar assim o que me aconteceu, porque a intenção de suicídio não me cozinhava os miolos.

15 Tive medo da vida, sem a presença de meu pai, mas o medo era o que eu sentia e não aquela temeridade que acabou por me perder.

16 Espero melhorar e auxiliar a mamãe Evangelina e apoiar os meus irmãos.

17 Deus nunca está pobre de misericórdia e eu espero um novo dia, no qual a minha consciência de rapaz amanheça pacificada.

18 Querida vovó Ester, o tio José Cardoso n alcançará as melhoras precisas.

19 Confiemos em Deus. Agora aguardemos um tempo novo. Ainda chegarei a Fortaleza n preparado para ajudar a mamãe, reparando as minhas faltas. Estou, agora, no fim de minha oportunidade para lhes deixar esta carta e ser reconduzido à instituição a que me recolheram.

20 Querida vó Ester e querida mamãe Evangelina, perdoem ao filho ingrato que um dia se restabelecerá para viver novamente, respeitando as Leis de Deus e amando-as cada vez mais.


Francisco


15 de janeiro de 1982.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir