Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Palavras sublimes — Autores diversos


44


Na desencarnação de Allan Kardec

1 … E esgotara-se o cálice das dores,
Não mais o rumo incerto em noite imensa…
E o semeador do bem, da paz, da crença
Volta ao plano dos grandes semeadores.


2 À distância da carne escura e densa
Vê descerrar-se um mundo de esplendores
E na estrada mirífica de flores
Fulge o sol do Senhor que o recompensa.


3 Alguém avança… É o grande Nazareno,
E Jesus, todo amor, de olhar sereno,
Que lhe consagra o dia da vitória!


4 E Kardec, chorando de alegria,
Parte para as mansões do Eterno Dia
Entre cantos e júbilos de glória! n


.Abel Gomes




Reformador — Abril de 1945.


[1] Segundo consta do original, o soneto foi psicografado em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, no dia 31 de março de 1945, data em que se relembra o retorno de Allan Kardec à pátria espiritual, em local referenciado pelo articulista, Ismael Gomes Braga, que assina a matéria com o seu pseudônimo Cristiano Agarrido, como “ilha pitoresca, próxima da cidade, (…) ao ar livre, à sobra de grandes eucaliptos”.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir